Documentos
01 / 01

Documentos

Notícias

SECA - Calamidade em Campilhas e no Alto Sado

 

Devido á seca severa vão ficar por cultivar mais de 4000 ha de regadio em Campilhas, Fonte Serne e Alto Sado. A falta de água nas albufeiras do Monte da Rocha, Campilhas e Fonte Serne não vai permitir regar este ano culturas como o milho, arroz, tomate, olival, hortícolas e outras culturas. O abeberamento de milhares de animais estará em risco. 200 ha de olival poderão perder-se.

É uma situação calamitosa que põe em risco a sobrevivência de varias centenas de explorações e respetivos postos de trabalho diretos e indiretos.

A ARBCAS- Associação de Regantes e Beneficiários de Campilhas e Alto Sado, está a efetuar um levantamento rigoroso das implicações desta situação anormal, só comparável a 1994/1995, tendo em vista sensibilizar o Governo para a calamidade que está iminente nesta região. É urgente tomar medidas que permitam a subsistência do setor agrícola, evitem o desmantelamento da atividade e minimizem o desemprego nesta região.

ver mapa

 

Na Assembleia geral do passado dia 28/12/2017 foram eleitos os corpos sociais da ARBCAS para o próximo triénio - 2018/2020. Assim os associados que constam da lista eleita são os seguintes:  

Assembleia Geral

Presidente:  Carlos Maria Pimentel Parreira do Amaral, sócio nº 216 

Vice-Presidente:  Conqueiros Invest, Lda, sócio nº 300, representada por Engº Rui M. A. Mendonça Veríssimo Batista, 

Secretários:  Idálio Nunes Espada, sócio nº 862;

Turimagri, Lda, sócio nº 1300, representada por Carlos M.Pires de Lima C.Coutinho

----------------------------------------------------------------------------------

Direção

Vogais Efetivos: Joaquim Matias Chainho, sócio nº 204;

Joaquim António Mestre Sobral, sócio nº 68;

Almerindo José Pereira e Filhos, Lda, sócio nº 1315, representada por Luís Nascimento Pereira

------------------------------------------------------------------------------------

Vogais Substitutos: Maria Isabel L.M. Brazão Santos, sócio nº282, representada por António M.P.A. Brazão Santos;

 Rações Valouro, SA, sócio nº 1370, representada por Engº Carlos Higgs Madeira;

 Sociedade Agrícola Vale da Umbria, sócio nº 474, representada por Engº João Garcia Domingos

------------------------------------------------------------------------------------

Júri Avindor

Vogal Efetivo: Dr. José Abílio Branco dos Santos Matos, sócio nº 119

Vogal Efetivo:  Engº Luis Manuel B.M. Didelet, designado pela Direção Regional de Agricultura do Alentejo

Vogal Efetivo: Carlos Alberto N.A. Sousa Correia, designado pela Associação de Agricultores do Litoral Alentejano

---------------------------------------------------------------------------------------------

A tomada de posse foi efetuada pelo representante do Estado, Eng. Manuel Amaro Freire Marreiros Figueira, no passado dia 16/01/2018. 

https://www.agroportal.pt/secaportugal-nao-um-pais-deficitario-agua-ilidio-martins/ 

Seca? Portugal não é um Pais deficitário em Água – Ilídio Martins

A seca que hoje, mais uma vez, afeta quase todo o Pais, tem implicado graves prejuízos materiais e económicos em diversos setores e direta ou indiretamente afetado todo o território, com consequências na qualidade de vida das pessoas.

É nesta altura que habitualmente se apela á poupança, ao civismo, ao bom uso,… fala-se em restrições ao consumo, constituem-se comissões da seca, promete-se investir milhões… enquanto se espera que o ciclo seco termine e venha novo ciclo chuvoso.

Portugal não é um Pais deficitário em água. Quem consulta os documentos oficiais da APA-Agencia Portuguesa do Ambiente (Autoridade Nacional da Agua) e da DGADR-Direção Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (Autoridade do Nacional Regadio), facilmente constata que dispomos de muito mais recurso água do que o volume que consumimos em todos os setores. Temos efetivamente um problema de distribuição territorial, de distribuição sazonal e de distribuição interanual. Não há água suficiente onde ela é mais precisa. Não há água suficiente quando ela é mais precisa.

Em certas regiões e em certos períodos temos excesso de precipitação, provocando inundações, contrastando com ínfimas precipitações em outras regiões. Em alguns anos a precipitação é manifestamente excessiva, em contraste com outros anos de reduzida ou nula precipitação. Somos um Pais pequeno, com uma orografia díspar, marcadamente influenciado pela frente atlântica e pela proximidade dos desertos do norte de África.

Para contrariar a carência de água por períodos prolongados, num determinado território, há (houve?) a tentação de utilizar de forma desordenada os recursos subterrâneos, como se fossem infinitos. Tal tem-se afigurado desastroso em algumas regiões, quer pelo esgotamento desse recurso, quer pela intrusão salina, inutilizando uma reserva que deveria ser estratégica.

Considerando que o Pais não é deficitário em água, enquanto se renovar o ciclo da água, mesmo com estes desequilíbrios, devemos encarar com otimismo o futuro, centrando esforços em ações concretas para minimizar e ultrapassar as situações de seca.

A utilização das reservas superficiais deverá ser a aposta, para todas as utilizações, maximizando-se o potencial de armazenamento e de distribuição. É sabido que quanto maior a capacidade de armazenamento das albufeiras, maior será a capacidade de regularização interanual. Também sabemos que uma rede de distribuição de água eficiente e com capacidade de interligação é essencial para levar o recurso onde será necessário.

O investimento que foi e está a ser efetuado no Alentejo através da construção da barragem de Alqueva e de toda a rede de barragens e canais que está a interligar quase todo o sul do Pais permite que no presente ano a seca não afete parte deste território. Se hoje não existem prejuízos mais graves na agricultura, na indústria, no turismo e mesmo quebras no abastecimento público, será porque temos um sistema de distribuição organizado em rede, que leva a água a parte do nosso território. Chega a ser chocante o contraste entre o sequeiro e regadio no Alentejo. No sequeiro todas as pequenas albufeiras e charcas há muito que secaram, os poços esgotaram, os furos estão paupérrimos, as arvores vão definhando, transporta-se água em contentores ou cisternas para o abeberamento. No regadio produz-se alimentos através de uma agricultura de precisão, com produtividades elevadas, tendo por base a eleva luminosidade e temperatura do Alentejo, sendo essencial a indispensável capacidade de adução de água que é garantida pelo sistema Alqueva ou pelos aproveitamentos hidroagrícolas.

Hoje quando se liga um interruptor ou se liga um motor elétrico, pouco importa onde e de que forma a energia é produzida. Nem tão pouco se quer saber como é distribuída. Apenas se sabe que sem essa energia tudo seria diferente… para pior. Da mesma forma os consumidores de água – que somos todos nós – quer em casa, na agricultura, na industria ou no turismo, o que pretendem é dispor do recurso, sem restrições, ou com as restrições que o tarifário lhe vier a impor. De certa forma, a nível do abastecimento público tal já existe em parte do território. Na presente seca, em muito menor escala que em 1995, apenas as localidades que não estão ligadas em rede estão a ser efetadas pelas dificuldades no abastecimento.

Investir em barragens, sobretudo ampliando e aumentando a capacidade das existentes, interligar sistemas, canais e barragens, melhorar a rede de distribuição em alta, melhorar a eficiência dos sistemas de distribuição, são meios para ultrapassar a próxima seca, que tal como a atual, está ciclicamente anunciada, como poderão comprovar as estatísticas.

Os resultados do sistema de Alqueva no presente ano comprovam da importância de levar a todo o Pais, do Algarve a Trás-os-Montes, a necessidade de investir numa rede nacional da distribuição de água, através de sistemas de fins múltiplos, que garantam a continuidade e fiabilidade do fornecimento de água, mesmo em situações de seca prolongada. Será necessário um grande investimento? Muito menos do que a rede elétrica nacional ou a rede de auto-estradas, sobretudo se vier a utilizar-se o potencial das estruturas hidráulicas já existentes.

Mais do que tomar medidas avulsas de emergência, que não são mais do que paliativos, há que olhar o horizonte e assumir medidas de médio e longo prazo no âmbito de uma estratégia nacional que efetivamente resolva os problemas das secas.

 

lídio Martins

Diretor da ARBCAS–Associação de Regantes e Beneficiários de Campilhas e Alto Sado

https://www.agroportal.pt/secaportugal-nao-um-pais-deficitario-agua-ilidio-martins/ 

Numa altura em que está nos últimos dias a campanha de rega de 2017, uma das mais problemáticas dos últimos 22 anos, a Direção e os funcionários da ARBCAS agradecem a colaboração e compreensão de todos os regantes, sem a qual não teria sido possível gerir os escassos recursos hídricos disponíveis.

CIRCULAR ENVIADA A TODOS OS REGANTES:

Em face da escassez de água nas albufeiras e pela ineficácia da adução de água por parte do sistema de ligação de Alqueva, Roxo-Sado, a presente campanha de rega foi efetuada em condições muito difíceis, tendo-se temido a rotura no abastecimento. Fizemos apelos para a poupança e boa utilização da água, de forma racional e conforme boas praticas agronómicas, tendo a esmagadora maioria dos regantes agido de uma forma profissional e competente.

Hoje, com o empenho de todos, podemos afirmar que foram cumpridos os objetivos de regar as áreas e as culturas que os nossos regantes se propuseram efetuar.

A Direção e os funcionários da ARBCAS agradecem a colaboração e compreensão de todos os regantes, sem qual não teria sido possível gerir os escassos recursos disponíveis.

 

 

 

Plano Nacional de Regadios é estratégico para contornar as consequências das alterações climáticas na agricultura

Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos

«O Plano Nacional de Regadios representa uma grande aposta na competitividade da nossa agricultura, constituindo um fator importante para acentuar a sua vocação exportadora e para a criação de riqueza, para além de ser um importante vetor de desenvolvimento rural», afirmou o Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, em entrevista à agência Lusa.

O Ministro acrescentou que «o Plano Nacional de Regadios, vai implicar um investimento de cerca de 500 milhões de euros para requalificar regadios obsoletos ou construir novos regadios,beneficiando uma área total de 90 mil hectares, pelo que vai ter uma importância acrescida no contexto que se está a viver, em que cada vez são mais evidentes as consequências negativas das alterações climáticas na agricultura».

«Numa região como o sul da Europa, onde Portugal está incluído, que é tão exposta às consequências negativas das alterações climáticas, as medidas mitigadoras passam essencialmente por duas frentes. Em primeiro lugar, por aumentar a capacidade de armazenagem, para que possamos dispor de água nos períodos críticos, como é o caso desta seca que estamos, infelizmente, a viver», referiu Capoulas Santos.

Em segundo lugar, é preciso «avançar no uso eficiente da água, com sistemas tecnologicamente mais avançados, que permitam ter melhores resultados em termos da produção agrícola com cada vez menos água », disse ainda o Ministro.

Nova política de regadios mais eficiente

Capoulas Santos afirmou que «é necessária a conjugação dos dois fatores - o armazenamento e a adoção de medidas que garantam o uso eficiente e a redução dos desperdícios de água, que são os pilares básicos da nova política de regadios, traduzida neste Plano, um grande investimento para os próximos quatro a cinco anos».

«Através do Plano, o Governo vai ampliar significativamente o regadio nacional com projetos espalhados um pouco por todo o País», acrescentoutambém o Ministro.

O Plano Nacional de Regadios vai ser financiado com verbas do Programa de Desenvolvimento Rural e com um montante de 260 milhões de euros resultante de dois empréstimos concedidos por bancos europeus. O maior empréstimo, de 180 milhões de euros, vai ser concedido pelo Banco Europeu de Investimento e o outro, de 80 milhões de euros, pelo Banco do Conselho da Europa.

Ampliação do Alqueva avança em 2018

O Ministro referiu ainda que a ampliação do Alqueva avança em 2018, «incluindo um vasto conjunto de obras que o Governo quer ter concluído até 2022, para criar mais 49 mil hectares de regadio distribuídos por 13 novos blocos de rega, espalhados um pouco por toda a região do Alentejo», sendo sete no distrito de Beja, cinco no de Évora e um no de Setúbal.

«Além dos blocos de rega, a ampliação prevê também um investimento muito importante numa ligação para levar água do Alqueva aos concelhos de Castro Verde, Almodôvar e Ourique, e parte dos de Odemira e Mértola», acrescentou Capoulas Santos.

O Ministro afirmou que a ampliação do projeto do Alqueva se enquadra no Plano Nacional de Regadios. Atualmente, esta barragem produz energia, reforça o abastecimento público de água no Alentejo e rega 120 mil hectares. Na sua capacidade total de armazenamento, o Alqueva é o maior lago artificial da Europa, com uma área de 250 quilómetros quadrados e cerca de 1160 quilómetros de margens.